quinta-feira, 22 de março de 2007

O que há guardado no meu coração? Não tenho palavras para expressar...
Só sinto... Apenas sinto um aperto, um misto de vazio com falta
Sentimento ilhado que vela por mim
Coração amordaçado, inquieto...
Perdi minha paz
Mal de amor onde encontrar a cura?
Talvez seja hora de esquecer e sufocar o que me faz tão bem.
Por te desejar tanto, por te querer tanto
Por querer tanto vivê-lo e por não ter conseguido te viver...
É que hoje, Amor...
Faz-se tudo silencio, lágrimas e dor...
Você é um morador insistente que me convida a vivê-lo.
Um sonho que não quer acabar...
Você estava sondando meu coração
E percebeu
Que ele não se compadece fácil das coisas
Nem compra qualquer causa
Que não sabia para que servia o Amor
Que não se rende e nem se abre facilmente.
E que agora é seu escravo
Olho para você que tão docemente me olha
E não contenho as lágrimas
No seu olhar pude ler: Não tente me matar, me sufocar, não fui criado para ficar escondido. Estou aqui para ser demonstrado e vivido com todas as minhas facetas. Descubra o que eu sou capaz... Tenha coragem e achará riso para sua tristeza, força para sua fraqueza e cura para teu mal.
“Amar qualquer coisa é ter o coração espremido e possivelmente partido”

Um comentário:

Gre disse...

Descubrir do que o amor é capaz...eis o desafio! Praticar o amor é diferente de sonhá-lo...