segunda-feira, 21 de julho de 2008


Pequenos são os instantes que nos permitimos fluir. Lançar vôo de olhos vendados e deixar-se dominar pelo compasso cardíaco. Reativo é o tremor das pápebras que insistem em abrir na hora errada... mas logo se fecha ao som do estrondo que reage ao impacto da luz sobre a superfície ocular... e é isso que sega! Na secura da saliva intácta se engole as palavras gastas. Desgaste e lance fora a goma que impede aquele vôo. Em vôo, se revela algo secreto: os instantes são eternos e a vibração é constante. Desconhecemos a salto e tememos a queda, mas é nele que se eleva o lúcido fluir da ritmia humana.
Palavra Viva de MMM...

Um comentário:

silvia disse...

Muitas vezes queremos agir como passaros em pleno vôo, mas a grande maioria das vezes nos falta coragem e ousadia para irmos tão longe e tão alto...