segunda-feira, 4 de junho de 2007


Dias dificeis

Eu sabia que viriam dias difíceis, mas não tinha a noção do quão seriam difíceis. Sinto o peso de cada dia que chega como uma carga exageradamente pesada e a chegada da noite até me traz um certo alivio, pois é mais um dia que chega ao fim. Tenho sentido as lagrimas escorrerem pelo meu rosto como nunca outrora elas haviam caído, produto de uma dor que está no fundo da alma.
Muitas vezes a minha boca não quer dizer uma palavra sequer, mas a minha mente e meus dedos dizem. A canção diz não desista é só o peso do mundo, mas muitas vezes a vontade de desistir tem me tomado, não tenho medo de ter medo. Tenho medo da resignação de achar que tudo é normal, medo da indiferença, medo de perder minha capacidade de me indignar e de buscar possibilidades pelo que vale a pena. Tenho receio de cair e não conseguir me colocar em pé novamente.
Sei que tudo isso um dia vai acabar. Eu não sou daqui. Eu sou uma estrangeira nesse mundo, até sei me comunicar com os que estão mergulhados e conformados com o mundo que está aí, mas me recuso a aprender a linguagem posta e praticada pela maioria, uma língua feita de dissabores e mediocridade...
Sinto que algo tem roubado minha alegria, apenas sinto um aperto no coração e uma dor na alma. Porem quero sempre que Deus “traga a minha memória aquilo me pode dar esperança”. E continuar trazendo no coração os versos da canção: Não desista é só o peso do mundo. É no silencio que sinto o fel e a mudez do meu caos.
“RESISTA um pouco mais, mesmo que as feridas latejem e que a sua coragem esteja cochilando. RESISTA mais um minuto e será fácil resistir aos demais. RESISTA mais um pouco mesmo que os pessimistas digam para você parar mesmo que sua esperança esteja no fim. RESISTA mais um momento mesmo que você não possa avistar ainda a linha de chegada. Mesmo que a insegurança brinque de roda à sua volta.. RESISTA um pouco mais...”
palavra viva da menina que ama o milagre

2 comentários:

Tulipa disse...

resistiremos aos dias difíceis, pois estamos fixos em terra fértil, doces palavras em outra face soa como delírio... vivemos o sonho de Deus, inemaginável para os que ostentam pequena fé. Não nos deixemos levar pelo ciclo da ignorância, da indiferencia, do desamor e do desapego. em nosso jardim já flores e frutos em abundância, basta-nos apenas distribuí-las... como há famintos nesta terra!

gre disse...

Estrangeira que é...espalha o que viu no outro mundo e sentirá a alegria renovada!

Beijos